terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Ano novo, livro novo

Na esperança de um ano novo melhor, deixo um texto de autoria desconhecida mas muito interessante. Que em 2011 saibamos escrever um "livro" cheio de alegrias, vitórias, conquistas e outras milhares de coisas boas para todos nós.

LIVRO NOVO

Encerra-se mais um ano em sua vida...
Quando este ano começou, ele era todo seu.
Foi colocado em suas mãos...
Podia fazer dele o que quisesse...
Era como um Livro em Branco, e nele você podia ter um poema, um pesadelo uma blasfêmia, uma oração.
Podia...
Hoje não pode mais, já não é seu.

É um livro já escrito...
Concluído...
Como um livro que tivesse sido escrito por você, ele um dia lhe será lido, com todos os detalhes, e não poderá corrigi-lo.

Estará fora de seu alcance.
Portanto...
Antes que termine este ano, reflita, tome seu velho livro e folheie com cuidado...
Deixe passar cada uma das páginas pelas mãos e pela consciência;
Faça o exercício de ler a você mesmo.

Leia tudo...
Aprecie aquelas páginas de sua vida em que usou seu melhor estilo.
Leia também as páginas que gostaria de nunca ter escrito.
Não...
Não tentes arrancá-las.

Seria inútil...
Já estão escritas.
Mas você pode lê-las enquanto escreve o novo livro que será entregue.
Assim, poderá repetir as boas coisas que escreveu, e evitar repetir as ruins.

Para escrever o seu novo livro, você contará novamente com o instrumento do livre arbítrio, e terá, para preencher, toda a imensa superfície do seu mundo.
Se tiver vontade de beijar seu velho livro, beije.
Se tiver vontade de chorar, chore sobre ele e, a seguir, coloque-o nas mãos do Criador.

Não importa como esteja...
Ainda que tenha páginas negras, entregue e diga apenas duas palavras: Obrigado e Perdão!!!
E, quando o novo ano chegar, lhe será entregue outro livro, novo, limpo, branco, todo seu, no qual irá escrever o que desejar...

FELIZ LIVRO NOVO!

sábado, 25 de dezembro de 2010

Contando estrelas


"As estrelas são todas iluminadas. Será que elas brilham para que cada um possa encontrar a sua?"  

(Antoine de Saint-Exupéry) 

Feliz Natal!

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Filosofias de final de ano


É interessante como a gente passa a perceber as coisas de forma diferente com o passar dos anos. Mudam sentimentos, ideias, escolhas e conceitos sobre a vida. E isso é muito bom, especialmente pelo fato de ver o quanto aprendemos e amadurecemos com isso tudo. Melhor ainda quando essas mudanças se remetem a escolhas afetivas, amores e afins; quando descobrimos o amor em suas variadas formas e também, quando lidamos bem com  certas situações que antes tiravam nosso sono e nossa paz.

Às vezes penso que a vida é mais sábia do que parece ser, e o que ocorre nela não é nenhum acaso. Claro que temos livre-arbítrio, por isso, algumas vezes depende de nós mesmos e nossas escolhas mudar determinada situação. Temos 50% de chance de acertar e fazer do nosso destino, felicidade. Muitas vezes erramos, e se formos espertos o suficiente, desses erros podemos reciclá-los e usá-los de uma maneira correta numa próxima oportunidade que nos será dada. Só não vale usar o mesmo erro várias e várias vezes, pois assim as oportunidades acabam e a vida se torna repetitiva e desanimadora.

Hoje eu sei que meu caminho está aberto para grandes oportunidades, para a busca de um sonho e para a construção de um amanhã melhor. Sei também que, embora não tenha tido muita sorte nos meus relacionamentos até então, todos eles só me fizeram crescer e aprender o real significado do 'gostar de alguém'. E da reciprocidade.

E quanto tempo precisamos para gostar de alguém? O suficiente, ora essa, o suficiente para ser feliz.

A vida é muito mais simples do que parece ser. Nós, seres pensantes, é que a complicamos tanto. 

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Da saudade que chega de repente...


Que saudade que me deu de perder-me pelas estradas repletas de girassóis da Espanha  para assim, encontrar-me novamente.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Três corações

Dos amores que tive, cada qual chegou em minha vida no seu tempo. Todos eles marcaram de forma única e cada um foi especial para mim à sua maneira.

Dos beijos mais doces que ganhei, dos abraços mais ternos que senti, dos carinhos sinceros que recebi, das palavras carinhosas que ouvi e de tudo o que aprendi,  no meu coração tudo isso eu guardei.

Guardei a amizade sincera; o carinho, amor e respeito que recebi de todos também.

Guardei as lembranças de tantos momentos bons numa caixinha especial na minha memória.

Que neles eu tenha despertado esse mesmo sentimento de amor e carinho que tenho por cada um.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Instante de mim


Naquela mensagem, uma esperança;
Naquele sonho, nostalgia.
Na mente, a lembrança vêm visitar;
No coração, a saudade não quer me deixar.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

'Quiero encontrar mi sitio'

Primeiro, o desejo de fazer uma faculdade;
Depois, o sonho realizado de uma formatura.

Primeiro, a batalha em buscar um lugar ao sol na vida profissional;
Depois, a frustração em saber que não é bem aquilo que imaginava querer para si.

Primeiro, mudanças e reconhecimento em outros campos da vida;
Depois, planejamentos e busca de um sonho que tem tudo a ver consigo.

Viver é uma luta diária, um aprendizado constante. É isto que me estimula a crescer e me fazer SER.

"Quiero vivir, quiero gritar,
Quiero sentir el universo sobre mí.
Quiero correr en libertad,
Quiero encontrar mi sitio
."
(Amaral)

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Do vício ao sonho


No aroma, instantes de nostalgia no ar;
No sabor, prazer que invade a língua.

Na máquina, o barista tira um espresso perfeito;
Nas mesas, bocas se enchem de vontade.

Uma pausa do trabalho;
Um momento de lazer;
Um reencontro com aquele amigo que não se via a tempos;
Ou algum encontro amoroso.

Em uma mesa, alguém lê o jornal do dia;
Na outra, livros de poesia encantam a moça.
Há os que se inspiram a escrever enquanto degustam a bebida;
Há os que apenas pensam em tudo, em nada, na vida.

E os acompanhamentos, hummmm...
Pão de queijo, tortas, doces.
E as imensas variações que ele tem:
Cappuccino, mocca, pingado, carioca...

Um café para acordar,
Um café para sonhar.

Adoçado ou puro,
Depende o gosto de cada cliente.

Tudo isso a gente pode encontrar em um café.
E acredito que nele esteja também o meu destino.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Sentir

"Ficar às vezes quieto, sem quase pensar, e apenas sentir é tão bom." (Clarice Lispector)



E de tanto tentar entender tudo o que aconteceu naqueles últimos anos, ela esqueceu de apenas sentir. Porque nem tudo se pode explicar ou entender; nada é tão exato como uma equação matemática. E assim são os sentimentos.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Grande conquista


E foi preciso atravessar o oceano Atlântico para medir o tamanho da sua coragem.
Agora, sem medos, era capaz de viajar tudo de novo, sozinha outra vez. E sentia-se enfim, preparada para enfrentar as dificuldades da vida com mais determinação e buscar forças dentro de si para conseguir o que tanto desejava.

A vida já não assustava mais como outrora parecia fazer.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Amor de alma


Saudade daqueles olhos azuis que me enternecem, daquele abraço que me tranquiliza e daquele sorriso que enche meu peito de alegria.

"Ojalá, ojalá nunca cambie
Esa forma que tienes de
Estar en el mundo;
Ojalá que el tiempo no te cambie..."
(Amaral)

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Sonhos meus II

Faz tanto tempo que deixei de ser menina, mas ainda não deixei de sonhar. E são nos meus sonhos que busco os caminhos que me levarão a um futuro promissor.

Mas sonho com os pés no chão. Sonho acreditando na imensa capacidade que tenho de realizá-los, e é isso que me dá forças para seguir em frente com meus objetivos.

Sonhando invento um mundo de novas possibilidades pra mim. Crio fantasias de amores impossíveis, traço metas e ideais para minha carreira.

Ora, o que seria da realidade sem os meus sonhos?!

Alma livre, coração tranquilo

"Espero por você, espero tão confiante, tão certa de que você, em algum lugar está procurando um caminho para me encontrar também." (Cáh Morandi)

Tenho tantas urgências para o amor mas ao mesmo tempo, um coração tão distraído que parece saber quando será a hora certa dele bater mais forte outra vez. E talvez seja por isso que ando numa tranquilidade tão boa.

sábado, 23 de outubro de 2010

Um pedido

E eu pensando que já tinha ido, mas você retornou e bagunçou meu coração mais uma vez... 

Nós dois vivemos um grande amor, não posso negar, porém ele nunca poderia sobreviver a tanto sofrimento e tanta mentira. Amor é justamente o contrário de tudo isso. Por isso, eu te deixo livre para ser feliz e seguir teu caminho. Essa é minha forma de dizer o quanto amor tenho por ti e que te quero sempre bem. 

Não pense que não atendendo às suas chamadas é que eu não gosto mais de você, pelo contrário, gosto muito e é por isso que te deixo. E gosto mais ainda de mim mesma. Por essa razão, quero me preservar dos sentimentos ruins e não viver mais de tristezas e vazios. Quero paz no meu coração. Assim, peço-te que me liberte também.

"Porque sé que me espera algo mejor
Alguien que sepa darme amor
De ese que endulza la sal
Y hace que salga el sol...
"
(Julieta Venegas)

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Do amor que sinto...

"Qualquer maneira de amor vale à pena, qualquer maneira de amor valerá."


Te ver feliz me deixa feliz.
E embora algumas coisas nos afastem
O carinho que tenho por ti é imenso.

De tantos amores que tive;
De tantas paixões nessa vida;
O sentimento por ti é diferente de tudo.

É transparente como o sorriso de uma criança.
Tanta ternura, tanto amor...

Quando estou triste,
Chateada com a vida,
Desanimada,
Fecho os olhos e penso em ti.

Então, meu coração se enche de alegria!

Na próxima vez em que nos encontrarmos
- e que esse dia venha logo -
Quero te abraçar e te dar todo meu carinho.
Te olhar bem nos olhos,
Te proteger, te fazer cafuné.

Sinto tanta saudade tua...

Pois se saudade é sentir o amor pelo avesso,
quero virá-lo do lado certo.

E ainda que essa história não terminou da forma como eu esperava,
O sentimento que descobri contigo é o que me faz sorrir todos os dias.

domingo, 17 de outubro de 2010

Orkutchencontro: 1 ano


Tudo começou com algumas pessoas e um assunto em comum: livros, em um post qualquer de uma comunidade de leitores assíduos do orkut. E o papo foi crescendo cada dia, o grupo aumentando a ponto de fazer uma comunidade própria, e não só o assunto literatura era o mais falado, como outros do dia e a comunidade virou uma grande família.

Nesse tempo, tiveram alguns encontros regionais, menores, e algumas pessoas iam se conhecendo pessoalmente. Até que um dia qualquer, saiu a ideia de um encontro maior, um 'megaorkontro' para assim, reunir o maior número de pessoas da comunidade.

Em 17/10/2009 (há exatamente um ano atrás) saiu o 1º orkutchencontro. 27 orkuteiros da comunidade 'Gostamos de Ler' se reuniram em Nova Prata, interior do RS, para confraternização de uma amizade sem explicação, e que só vêm crescendo cada vez mais.

Foram dias especiais na vida de todos e que deixaram muita saudade. Gente de diversas regiões do Brasil, de sotaques diferentes, de idades que variavam entre 19 e 70 anos, com tanta sintonia, amizade, cumplicidade, amor... Parecia que nos conhecíamos a muitos e muitos anos (e talvez nos conhececíamos mesmo). Quantas histórias, passeios, risadas... Que dias maravilhosos e inesquecíveis!

Nesse encontro, acreditamos que sonhos podem se tornar realidade.

Ano que vêm teremos o segundo 'Megaorkontro', em novembro, em Salvador.

Já estou em contagem regressiva...

"Quando menos esperamos encontramos pessoas que nos fazem pensar um monte de coisas boas"


quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Doces desejos

 
Ando com um desejo incontrolável de comer doces nesses últimos dias... Mas por que, se a vida já é feita de imensa doçura?!

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Estranhos conhecidos

Já se conheciam a tempos, mas naquele instante pareciam estranhos um ao outro. E desconhecidos, se descobriam numa ânsia de curiosidade, numa fome insaciável de prazer egoísta, e ao mesmo tempo, recíproca. Aqueles corpos, antes tão conhecidos, naquele momento eram novidades para o outro, para si mesmo; ali se descobriam, brincavam e se esbaldavam.

Não pensavam no amor - se é que ali existia, e é possível que sim - nem na amizade de ambos. Era apenas prazer puro e simples. Estavam descarregando a ansiedade do dia, esquecendo os problemas, inventando alguma emoção que ainda não haviam sentido até então. Ela, sonhadora e idealizadora de um futuro grandioso; ele, cético das coisas do mundo, apenas vivia o que a vida lhe impusera. Contudo, naquele instante não haviam regras, não havia futuro nem passado. Era o agora, um agora sem pressa de terminar, sem compromissos. Era uma liberdade que os dois tanto almejavam e ali desfrutavam, em meio  a sussurros e gemidos.

E depois que tudo terminava, olhavam-se, vestiam-se, falavam qualquer coisa. Voltavam a ser os mesmos de antes. Amigos, como sempre foram. Assim, se despediam com um "até breve", embora não sabiam  exatamente quando seria o próximo encontro deles, se logo ou muito mais tarde. Ou mesmo, não sabiam se haveria um próximo encontro igual aquele. 

Então, a vida seguia novamente sua rotina. E eles se falavam como amigos de sempre, conhecidíssimos um do outro. Como sempre foram.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Los caracoles no saben que son caracoles

"- ¿Mamá?
- ¿Qué?
- ¿Los caracoles saben que son caracoles?
- Y yo que sé. ¿Qué pregunta es ésa?
[...]
- Yo creo que no, mamá.
- ¿Que no qué?
- Que los caracoles no saben que son caracoles.
- ¿Por qué?
- Porque no pueden verse."

(Trecho do livro "Los caracoles no saben que son caracoles" de Nuria Roca).

Às vezes estamos tão alheios a nós mesmos e tão ocupados com o que ocorre ao nosso redor que não percebemos nossas próprias qualidades e nem vemos o quanto incríveis somos. Assim como os caracóis.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Happiness


Caminhando pelas ruas da Espanha, por vários momentos senti uma sensação confortante no meu peito que a tempos não sentia igual. Ali, sozinha, passeando por lugares desconhecidos,  em um país diferente, que surpresa agradável tive! Que vontade de abraçar o mundo e sorrir sem motivo algum!

Pois a felicidade chega a qualquer momento, quando menos esperamos.

"La felicidad es como una mariposa. Cuanto más la persigues, más huye. Pero si vuelves la atención hacia otras cosas, ella viene y suavemente se posa en su ombro." (Viktor Frankl)

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Alegria de primavera


Do céu azul à brisa que bate no rosto;
Das roupas mais frescas;
Das temperaturas mais elevadas;
Do amor que transborda no peito dos enamorados;
Dos meus espirros intermináveis;
Das flores que desabrocham, colorindo a cidade;
Dos dias mais longos;
Da saudade daquele sorriso que enternece meus dias...

Assim, setembro se despede com gostinho de início de primavera.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

De volta!

Voltando de viagem, horas e horas de voo...

1ª hora: Repasso cada momento vivido nesses 31 dias em terras espanholas. Quanto vi, vivi, aprendi, conheci pessoas e lugares... Sou uma pessoa completamente diferente daquela que chegava a um mês atrás. Mudei muito, e pra melhor. O coração aperta ao lembrar do que deixei na Espanha, ao mesmo tempo se abre para o futuro e para o que virá.

2ª hora: Almoço! E claro, 'la siesta'. Ora, ainda estamos em ritmo espanhol.

3ª hora: Acordei e vi que passava um filme, meio água com açúcar pro meu gosto, mas pelo menos treinei mais um pouco meu espanhol.

4ª hora: Comecei a ler um livro novo que comprei um dia antes, em Madrid, de uma escritora de Valência. Muito divertido!

5º hora: Começa a passar "Karatê Kid". Pelo que notei, a grande maioria das pessoas no avião acoradaram para ver o filme.

6ª hora: Levanto um pouco pra me espichar, caminhar, alongar o corpo e aproveito para ir ao banheiro. Já estamos sobrevoando o Atlântico. Viagem longa!

7ª hora: Termino de ver o filme, leio mais um pouco o livro, tento dormir mas não consigo me acomodar... Levanto, caminho, sento novamente... ¡Aburrimiento! 

8ª hora: Servem a janta. Aceito um café que mais parece um 'chafé'. ¡Vale! Esperar um bom café em um avião é pedir demais.

9ª hora: Meu pescoço dói. Faço um pouco de alongamento. Sorte ter comprado um travesseiro especial de viagens no Freeshop de Madrid, porque a ida foi tensa, literalmente falando. Massageando e alongando meu pescoço lembro da cena lamentável (e agora, engraçada) do hospital na semana anterior. Para carimbar minha viagem, eu tinha que parar em um hospital...

10ª hora: Escrevo no meu caderno de notas alguns apontamentos da viagem e reflexões e me emociono com as lembranças que passam por minha mente, as pessoas que conheci nessa viagem que foram tão especiais e talvez eu nunca mais as veja pessoalmente. Loucura isso!

11ª hora: Depois do avião dar voltas e voltas no céu esperando a chuva de granizo passar em Guarulhos, aterrissamos. Cheguei na metade do caminho. Mais algumas horas no aeroporto, uma conexão e chego ao aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, finalmente.

__________________________________

Assim, volto à 'vida real' com muitas ideias novas e objetivos, um jeito melhor e mais positivo de encarar os problemas, muita disposição e alegria.

Tive alguns contratempos até chegar ao destino final. Agora está tudo bem - ou, como falam na Espanha, 'no pasa nada' - e aqui estou outra vez, nova em folha e pronta para o que a vida me reserva logo mais.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

E na Espanha, eu me apaixonei...

Sim, me apaixonei!

Me apaixonei pelas cidades e lugares que visitei, pelas pessoas que conheci, pelo 'castellano', pelos sabores das comidas que experimentei, pelos cafés, pelas 'cañas' e outras bebidas espanholas, pelas 'fiestas', pelas lojas e feiras, pela alegria do povo espanhol...

Me apaixonei pela bela cidade de Salamanca, pela Plaza Mayor e seus arredores, pela minha família 'emprestada' que me deu alojamento e conforto, pelo pessoal da escola (colegas e professores), pelo clima da cidade...

Me apaixonei por Aveiro, em Portugal, seu porto, sua praia, suas casinhas que parecem de bonecas; por Segovia y Avila, cidades pequenas, porém muito bonitas. Me apaixonei pelo castelo de Isabel de Castilla (foi como viajar até a época medieval - sensação maravilhosa); me apaixonei por Toledo, cidade pequeníssima mas encantadora e charmosa com suas ruas estreitas e seus prédios de uma arquitetura minuciosa...

Me apaixonei por Madrid, 'la capital española', enorme mas nem por isso menos atraente que as outras. Me apaixonei por cada canto de Madrid, a prefeitura, a 'Plaza Mayor' (mas a de Salamanca é a campeã em beleza e encanto), a 'puerta del sol', o 'Parque del Retiro'... Tudo maravilhoso! ¡Todo me encantó!

Me apaixonei por cada parte, cada momento, cada dia dessa viagem.

Me apaixonei principalmente por mim mesma. Me descobri capaz de coisas que nem imaginava e com ideias para construir um futuro promissor.

Nesses 31 dias de viagem, estou cada vez mais apaixonada pela vida.

Volto pra casa muito feliz; e já pensando em qual será meu próximo destino.

Status: Feliz

Último dia na Espanha.

Hoje, passeando pelas ruas de Madrid, senti uma paz que a tempos não havia sentido. Uma leveza de espírito, uma felicidade plena; uma sensação de liberdade e independência únicas.

De coração tranquilo, volto para casa.

domingo, 19 de setembro de 2010

Despedida (2)


E então, me despeço de Salamanca.

Passou tão rápido... E foi tão bom!

Uma cidade que me acolheu desde o primeiro dia, como se eu vivesse ali desde sempre. A casa onde eu vivi, a família que me acolheu como se eu fosse integrante dela; a escola, os professores e colegas, os amigos; as pessoas que conheci e tive um carinho tão grande como se fossemos já grandes amigos (chato pensar que a grande maioria nunca mais verei pessoalmente); as comidas e bebidas que provei; as festas; os passeios e excursões; as compras (muitas!), as paisagens belíssimas; a arquitetura fantástica...

Vivi grandes emoções, aprendi muito. Que dias maravilhosos passei!

Salamanca, ¡Te quiero mucho!

sábado, 18 de setembro de 2010

Despedida (1)


Se me fosse concedido um pedido agora, queria mais uma semana em Salamanca.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

En la clase de español (3)

Esses dias, na aula de espanhol, tivemos que falar sobre um escritor do nosso país (sabendo que há gente do mundo todo na turma, houve uma diversidade de nomes literários).
Eu como boa gaúcha e amante de poesia, não poderia ter deixado de citar Mario Quintana, com suas poesias simples e cheias de ironia.
Em meio às pesquisas, me deparei com um poema que gosto muito, mas havia esquecido. Um poema que tempos atrás era um dos que mais falava por mim...

Aí vai ele:

Do amoroso esquecimento

"Eu agora - Que desfecho -
Já nem penso mais em ti...
Mas será que nunca deixo
De lembrar que te esqueci?!"

Esquecimento é algo extremamente complexo para um ser humano, exceto  para os que sofrem de amnésia ou alzheimer.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Começar de novo


Um ano atrás houve um beijo, uma despedida, um fim.
Um ponto final em uma história que parecia nunca terminar.

Mas terminou!
Num beijo; o último beijo.

Porém, depois do último, sempre vem um novo beijo;
O primeiro, de tantos primeiros beijos trocados na vida.
De um novo amor, uma nova paixão...
Não vejo a hora de começar tudo outra vez!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

En la clase de español (2)

"[...]Amo o amor que se reparte
en besos, leche y pan.

Amor que puede ser eterno
y puede ser fugaz.

Amor que quiere libertarse
para volver a amar.

Amor divinizado que se acerca
Amor divinizado que se va."

(Pablo Neruda)

En la clase de español (1)

"Érase una vez
un lobito bueno
al que maltrataban
todos los corderos.
Y había también
un príncipe malo,
una bruja hermosa
y un pirata honrado.
Todas esas cosas
había una vez.
Cuando yo soñava
un mundo al revés."

(José Agustín Goytisolo - poeta español)

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

La vida puede que no se ponga mucho mejor que esto

Cidade de Toledo, Espanha

"Claro que lo sé,
Lo tengo más que claro.
Los días raros son muchos
Y los días buenos, raros.

Duró la efímera rosa
Lo que duran los suspiros
Lo que una mariposa dura
Fuera del retiro.

Y aunque no haya una razón,
Todos a sus puestos,
La vida puede que no
Se ponga mucho mejor que esto.

Por una vez que no duele,
Todo el mundo a bordo
Que la pena cante hoy
En oídos sordos.

Claro que también,
Melancolía manda
Con su pluma minuciosa,
Deshace afanosa lo que uno anda.

Dejemos que esa nostalgia
Nos bese la cara seca,
Como el sol de los domingos
Besa la plaza de Chueca.

Y aunque no haya una razón,
Todos a sus puestos,
La vida puede que no
Se ponga mucho mejor que esto.

Por una vez que no duele
Todo el mundo a bordo,
Que la pena cante hoy
En oídos sordos.
Que la pena cante hoy
En oídos sordos."


(Jorge Drexler)

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Necessária solidão

Viajando sozinha vejo que a solidão não é algo ruim como parecia ser. Pelo contrário, é nela que encontro uma grande aliada para enfrentar meus medos e inseguranças; faço dela uma companhia muito agradável nas horas que não tenho alguém por perto e, graças a ela posso me descobrir mais corajosa para enfrentar a vida e mais independente também.
Podemos chamar isso de "solidão necessária". Algo que precisamos vivenciar e sentir de vez em quando para nosso autoconhecimento e espiritualidade. Isso faz um bem enorme pra alma! Faz bem pra vida, faz bem pra nós mesmos.

E que bom ter a sensação de liberdade nessa solidão amiga!

"Vou adiante como posso, liberdade é do que gosto..."
(Paula Toller)

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Pessoas

Nesses dias caminhando pelas ruas de Salamanca, vi inúmeras pessoas (na real, na viagem toda até aqui a quantidade de pessoas que ando vendo é enorme; que mundo gigante vivemos) e aqui todas são muito simpáticas, bom atendimento na maioria dos restaurantes, cumprimentam aonde passamos, nas lojas, na escola e onde for, respondem com muita educação quando pedimos qualquer informação na rua e, puxam assuntos com desconhecidos. Que dizer, nem todos são as assim, mas as senhoras de idade posso dizer que são.

Em apenas uma semana duas senhoras vieram conversar comigo na rua. A primeira, com 90 anos, numa das mesas da Plaza Mayor, veio conversando assim do nada. Comentou das raspadinhas que havia comprado e mais uma vez não tinha ganhado; do médico que proibiu ela de fazer muito esforço por causa do coração; da família, dos filhos e mais um monte de coisas que não entendi muito bem porque falava muito depressa. Uns dois dias depois, em um banco numa pracinha, eu estava sentada esperando um amigo quando outra senhora veio pedir licença para sentar-se ao meu lado. Tinha oitenta e poucos anos, também falava muito depressa e não entendi algumas coisas do que dizia. Perguntou da onde eu era e não acreditou na minha idade (deve ter imaginado que eu tinha uns 15, 20 anos, pois se preocupou muito por eu estar sozinha em outro país). Ambas falaram  comigo como se eu fosse da família delas, muito íntimas.

As duas senhoras foram muito amáveis, simpáticas. Sem receio de falar com estranhos. Os espanhóis são assim, abertos, sociáveis (pelo menos a grande maioria). Não é a toa que brasileiros se adaptam muito bem por aqui.

Alguns dias atrás, me chamou a atenção também que algumas crianças me olham e sorriem. Não sei o motivo, nem sei se há algum. De qualquer forma, adoro as crianças e o sorriso delas me deixa ainda mais alegre.

Gosto dessa troca de ideias, de diálogos, de receber um sorriso de uma criança. Esses momentos deixam minha viagem mais colorida (e um tanto divertida também).

Coisas que acontecem

Gafes, micos são inevitáveis em qualquer viagem. Mesmo tendo o maior cuidado para não cometê-las, às vezes elas acontecem. Especialmente se estamos em um país que fala uma língua diferente da nossa. Sempre há alguém que fala ou faz algo errado, e que no entanto se torna muito engraçado ao contá-lo depois (apesar da vergonha momentânea). Aconteceu algo engraçado comigo aqui na Espanha. Ou quase aconteceu, digamos assim.

Estou muito acostumada em dizer, em português, "Que calor! "Está muito quente hoje" e no espanhol traduzi ao 'pé da letra' e ficou: "Está muy caliente hoy". Por sorte falei isso para pessoas que não notaram a diferença, por provavelmente não saberem que estava errado ou não terem prestado atenção. Até que um dia eu falei na aula algo semelhante e a professora corrigiu o erro dizendo que não podemos usar 'caliente' dessa forma, mas só para comidas e coisas. Porque dizer "está muy caliente" quer dizer 'querer sexo'. Sim, isso mesmo. Seria engraçado eu falar a algum rapaz espanhol isso, obviamente querendo dizer que estou com calor, mas sem saber o real significado (na real, seria trágico-cômico), mas graças a minha professora, agora sei como devo falar corretamente. Santa professora!

As palavras pregam peças. Em outro idioma então, nem se fala.

Caminando en España...

Salamanca, España
Já se passaram duas semanas - muito rápido por sinal - e ando aproveitando tudo que consigo ao máximo. Praticando meu espanhol, conhecendo lugares novos (e lindos), caminhando muito por aqui e ali, conhecendo cada cantinho dessa cidade nova que para mim já está sendo muito familiar, me conhecendo melhor, curtindo minha própria companhia e  a liberdade que a solidão propicia (com isso vejo que sou muito mais destemida  do que poderia imaginar), provando e degustando a culinária local, novos sabores, novas bebidas... Nova vida!

Hoje um grupo de pessoas se despediu da escola indo alguns para seus respectivos países, outros para outra cidade da Espanha. Essa parte é a mais triste por causa  da despedida (nem quero pensar na minha, pra não sofrer por antecipação), por sabermos que depois dificilmente nos veremos, talvez nos falaremos pela internet mantendo algum contado. Para compensar, segunda chegam novas pessoas, e assim novos amigos surgem.

Estou cada vez mais feliz nesses dias todos, com uma leve saudade do Brasil e das pessoas que ficaram, e muito agradecida por estar onde estou. Respirar o ar europeu anda me fazendo um bem enorme (às vezes necessitamos buscar novos "ares"). Porém sinto que algo falta acontecer nessa viagem para sentir-me completa. Ainda não sei bem o que. É um sentimento que anda aparecendo de vez em quando. Pois que aconteça e eu saiba reconhecê-lo. E que me traga satisfação como tudo por aqui.

Que venham então as próximas semanas, cheias de passeios, caminhadas (graças a ela estou mantendo-me no mesmo peso sem engordar), aventuras, novos amigos sempre, 'mucho español' para falar, escutar, estudar, cantar e dançar...

¡Hasta luego!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Intercâmbio cultural

Salamanca, Espanha
O mundo é realmente fantástico! E sobre muitos aspectos. Diversidade, cultura, diferença no fuso horário, idiomas de todo tipo. O mais legal é quando juntamos tudo isso em um grupo de pessoas. Quanto conhecemos e aprendemos! Creio que levarei para casa, no término da minha viagem, uma carga enorme de novidades e cultura... E de novos amigos também. Só espero não me cobrarem por excesso de bagagem.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Brindemos ao 31 de agosto

Bebendo una caña en el fin del día
Hoje é dia 31 de agosto: dia do Nutricionista!

O Nutricionista é o profissional da saúde habilitado para ajudar você a se alimentar adequadamente, respeitando a sua individualidade, prevenindo doenças e promovendo a saúde e a qualidade de vida, sempre valorizando o prazer que uma refeição deve proporcionar.

Parabéns a nós, orgulhosos em ser esse profissional que faz um trabalho tão bonito que é cuidar das pessoas, sua saúde e sua alimentação com muito carinho.

Mesmo na Espanha, em meio a 'tapas, cervezas, helados y churros' - e quem imaginaria que eu comemoraria esse dia em um país diferente? - não poderia deixar de prestar essa homenagem.

"Ser Nutricionista é vitaminar planos, dar energia a sonhos e alimentar idéias".

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Hola ¿Qué tal?

Plaza Mayor - Salamanca, Espanha
Apenas uma semana e já estou tão adaptada a esta cidade que tenho a impressão que sempre morei aqui. Uma sensação boa de andar nas ruas, de ouvir as pessoas falando o belo idioma espanhol, tão perfeito, como uma bela canção para meus ouvidos.

Estou feliz por estar aqui, por conhecer um novo país, novas culturas e novas pessoas. Mas, estou mais feliz por enfrentar certos conflitos internos e conseguir vencê-los.

Aqui estou eu para aproveitar cada momento dessa viagem maravilhosa. Aprender muito, hablar mucho,  conhecer muita gente, muitos lugares... Enfim, viver muito!

¡Hasta luego!

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Me voy

Expectativa, ansiedade, apreensão, felicidade, frio na barriga... Um misto de emoções invadiram-me quando acordei nesta manhã. Faltam menos de 24 horas para um dos meus sonhos se realizarem; para uma grande conquista minha ser alcançada. Amanhã darei mais um passo em direção ao meu futuro e, de passinho em passinho chegarei aonde quero. Confiança e perseverança me acompanharão nessa oportunidade que tive, e em tantas outras que virão.

Malas prontas, passagens, visto e documentação em dia. Tudo certo!

Então aqui vou eu, enfrentando a vida com coragem e alegria. Eu e eu mesma! Curtindo a minha própria - e ótima - companhia em um outro país, vivendo e conhecendo outra cultura, aprendendo  um idioma diferente.

Muita sorte pra mim!

Me voy...

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Explorando o desconhecido


"Quero uma primeira vez outra vez. Um primeiro beijo em alguém que não conheço, uma primeira caminhada por uma nova cidade, uma primeira estréia em algo que nunca fiz, quero seguir desfazendo virgindades que ainda carrego, quero ter sensações inéditas até o fim dos meus dias." 

(Martha Medeiros)

Porque o novo me atrai, me encoraja, me faz seguir em frente. A rotina é desgastante, a mesmice, chata; já a novidade é estimulante. Liberta!

Originalidade é o que faz da vida a graça que ela é.

Já diria Cazuza...


"O nosso amor a gente inventa pra se distrair, e quando acaba a gente pensa que ele nunca existiu."

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Um pouco do que sou hoje


Sou um pouco de cada coisa que aprendo, que vivo, que sinto. Sou um pouco disso e um pouco daquilo. Tenho um louco desejo de ser, uma vontade de aprender sempre mais, uma fome insaciável de conhecer pessoas, lugares, de existir, de entender as coisas, de explorar tudo ao redor... Sou alguém em constante mutação, que não se cansa de mudar, que não tem medo do novo; alguém que luta pelo que quer; que vive intensamente;  que sonha,  que brinca, que canta e dança, que ama. Cada vez mais. Sempre.

Sou uma avalanche de sentimentos; sou amiga, filha, mulher, companheira; sou intuitiva, criativa, observadora, intensa, sensível.

Sou o tudo e o nada; sou simples e complexa; sou (in)comum. Sou única. Sou feliz!

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Do que vale à pena reviver...


Nunca imaginei que fosse acontecer de novo.
O destino mandou você outra vez.
Por algum motivo,
Ou nenhum, talvez.

Você então, veio
E eu tenho que lhe dizer
O que guardo por tanto tempo.

Não é nenhum pedido, nem apelo
Apenas algo que tenho na lembrança
E no coração.
Algo que não esqueço
E só eu sei.

Por favor, entenda
Não se zangue, nem seja frio
É algo bonito, 
Que me fez bem naquela nossa época,
E que hoje necessito compartilhar com você.

Pois você foi o maior responsável
De uma grande alegria.
Entretanto, nunca tive oportunidades de lhe contar.

Conceda-me uma hora do seu tempo,
Um café ali na esquina
E algumas palavras minhas.

Palavras de amor, de afeto, de ternura...
Que nelas eu sinta teu sorriso,
Teu carinho, tua amizade...
Como sempre foi.

Nos reencontramos,
Que jeito irônico de reviver o que parecia já não existir mais.

A vida sabe o que faz.

domingo, 8 de agosto de 2010

Raridades

A vida é cheia de encontros e desencontros. Mas o que importa nisso, é o que cada pessoa nos mostra em sua passagem. E o que a gente também pode mostrar a ela. Há uma troca de valores, sentimentos, opiniões que nos ajudarão em alguma parte do nosso destino. Das nossas vidas.

Não é por acaso que conhecemos tantas pessoas, e nem por acaso que algumas são tão especiais (umas mais que outras). Já diria Lenine: "A vida é tão rara", mas as pessoas que passam e que dão cores a mais a ela, essas são mais raras ainda.

Vivendo...


É engraçado como as coisas acontecem. E muitas vezes é complicado tentar entendê-las. Já diria Clarice Lispector: "Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." É mais ou menos por aí. Porém, na prática isso não é muito fácil, principalmente pra mim que  tenta entender tudo o que se passa na vida, mesmo quando não há o que entender. Será que realmente tudo têm um propósito na vida? 

Às vezes, basta apenas sentir e viver intensamente cada momento. Pensar demais atrapalha.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Do que está para chegar...


Acordei nessa manhã com uma leveza de espírito e uma vontade de sair pelas ruas dançando e sorrindo para os transeuntes. Ultimamente ando numa paz tão boa, com o coração sereno e sentindo a vida brilhar em cores e otimismo.

Os últimos acontecimentos nesses tempos fizeram modificar algo em mim para melhor. Fizeram-me também, ver as coisas de maneira mais positiva, de ver o lado bom delas (e tudo sempre tem um lado bom).

O momento de agora talvez é para eu focar no meu futuro profissional. Esse que anda num redemoinho de dúvidas e inseguranças. Pois então surgiu uma boa oportunidade atualmente que com certeza me ensinará muito, abrirá minha mente para novas ideias e quem sabe assim, eu me encontre definitivamente numa carreira que me traga satisfação e conforto.

No outro extremo da vida, aquele lado tão judiado antes, hoje está tranquilo. Minha casa interior está toda arrumada, limpa e perfumada à espera de quem virá para usufruir e desfrutar desse cômodo que faço questão de dividir com mais alguém.
Namorados, ficantes, rolos surgiram e ressurgiram na minha vida. Ciclos foram iniciados e terminados. Cada qual veio e foi a seu modo, deixando apenas a graça de seu enredo e  todos bons momentos vividos. Emoções ruins foram descartadas.
Tantos amores que tive - e amar é muito bom - revelaram uma Ane mais sensível, que preza as pequenas coisas e sabe encontrar a beleza naqueles detalhes mais imperceptíveis do dia a dia.

Se apaixonar é bom demais; amar é sentir cada segundo das coisas com a alma.
Ser romântica pode-se passar por brega, careta hoje em dia... Pois então, sou uma careta contemporânea que aprecia um bom romance em qualquer esquina; num café; num abraço apertado; numa livraria; num bar; no meio do caos urbano; na praia; numa boa conversa; na cama; na cozinha de manhã cedo de cabelos desgrenhados, pijama e chinelos; numa música do Chico; num poema de Cecília; num beijo de despedida; na varanda; num olhar; num filme italiano;  num cachorro correndo na rua; na melodia do Drexler; nas crianças brincando no playground; num jardim de margaridas, em campos de girassóis ou numa rosa branca solitária; em um sorriso sincero; num jazz saído de um sax ou de um blues vindo de uma harmônica... Pois, em todo lugar que houver vida, há romance. E há o amor!

Onde quer que ele esteja, eu estarei pronta para recebê-lo.
Um dia a gente se encontra! 

"Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui...além..." (Florbela Espanca)