quarta-feira, 28 de maio de 2014

evoluções e renovações. (6 anos)

'Minha vida, tão simples, tão complicada. Tão perfeita, mas ao mesmo tempo, em busca de um "algo mais".' (2008)

'Há um ano eu tive a idéia de criar esse blog, colocando textos, coisas soltas que me surgiam na cabeça; "coisas da vida" como o próprio nome que dei a ele.' (2009)

'Há dois anos eu criei este blog para colocar alguns de meus milhares de pensamentos e ideias um pouco mais ordenadamente em forma de textos e tentar entender um pouco desse grande mistério que é a vida. Mais uma espécie de terapia que outra coisa.' (2010)

'3 anos e o blog continua funcionando (muito bem, por sinal). Sempre com pensamentos, reflexões e sentimentos que me invadem, que quero exprimir e nas letras encontro o melhor jeito para fazer isso.[...] Com certeza o blog não é mais o mesmo, mas eu também não sou. Ainda bem, não é?' (2011)

'4 anos de poesias e alegrias, de ciclos novos, viagens incríveis, momentos perfeitos, sonhos que viraram realidade, amores que viraram história, amigos novos e velhos, cafés, músicas diferentes, descobertas, leituras novas, pessoas... 4 anos e uma nova Ane a cada ano.' (2012)

'5 anos de blog. Uma evolução na escrita. Uma revolução em mim.' (2013)

domingo, 18 de maio de 2014

Do que me fascina.


Fazer café é poesia. É como uma dança. A sincronicidade e os detalhes. O grão sendo moído. O cheirinho. O pó caindo no porta-filtro. A compactação adequada. O leite girando na vaporização. A crema bem feita. O encaixe exato do porta-filtro no filtro. O tempo que leva em ligar a máquina, preparar a xícara e cair o café. Junto levanta um aroma sutil, que bate no nariz de quem se aproxima da cafeteria. E o faz parar para pedir um cafezinho. O leite já pronto, dança na pitcher, misturando-se. Crema perfeita que cai no café, delicadamente, fazendo desenhos. Às vezes sai coração. Às vezes sai tulipa. Às vezes, se dá asas à imaginação. O prazer em ver as pessoas beberem e apreciarem. A colher misturando a cremosidade do leite com o espresso. E no rosto do barista, um sorriso de satisfação.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

pois é.

Se não fosse minha mente maluca, idiota e cheia de imaginação eu talvez não criasse tanta expectativa nas coisas.

Mas também, é graças a essa mesma mente maluca e altamente imaginativa, que eu consigo deixar as coisas mais leves e engraçadas.