domingo, 29 de junho de 2008

Coisa incerta.

Tem uma coisa me incomodando. Algo que não sei explicar direito, mas está dentro de mim, de meu peito. Uma coisa que de vez em quando me tira o ar, dificulta minha respiração. Uma coisa que dói, que em certos momentos me dá vontade de chorar.
Essa coisa fica lá escondida e, quando menos espero vêm pra fora, me trazendo desânimo e tristeza.
É uma coisa estranha, incerta. Às vezes parece que não a tenho, às vezes ela é boa, mas muitas vezes a coisa é má. E não é essas coisas de infarto, angina, não, é coisa mais complexa.
Quero me livrar dessa coisa. Detesto ela! Me livrando dela, me sentirei mais liberta, leve, mais feliz.
COISA chata!

sábado, 21 de junho de 2008

Colo de vó, insubstituível!

Falavam sobre avós e foi então que percebi: não tenho mais vó. Não que eu não houvesse percebido antes, mas foi como se a "ficha" tivesse caído. Eu que sempre tive meus quatro avós saudáveis, sempre gostei de "exíbi-los" para meus amigos, vi que deles todos sobrou apenas um avô. Os outros três se foram. Todos meio juntos, em três anos e de forma tão triste. Sinto muita falta deles! Tenho ótimas lembranças, momentos felizes que passamos juntos. Sei que as pessoas têm um "prazo de validade" e chega uma hora que devemos nos despedir deste lugar e seguir nosso caminho, mas na prática é tão complicado. Às vezes, ainda os queria por aqui, pertinho de mim. Minha vó fazendo as comidas dela, anotando as receitas que via na tv e tentando me incentivar a cozinhar; meu vô sempre me paparicando, fazendo torradas, pedindo para ensiná-lo a mexer no computador; minha avó paterna, passeando pelo shopping, fazendo compras, ou simplesmente tomando um café com a gente.
Com certeza, um dia nos encontraremos outra vez. Até lá vivo de recordações. E com saudades daquele colinho gostoso que só minha vó materna sabia dar. Ah, e como esse colo anda fazendo falta ultimamente...

quarta-feira, 18 de junho de 2008

A dor de quem ama

- Tua amizade é muito importante pra mim!

Essas foram as palavras dele. Ela escutou-as, mas parecia não acreditar. Todos aqueles anos achando que ele a amava, que seriam muito felizes. Seus olhos encheram-se de lágrimas. O carinho que ela sentia por ele era imenso. Ele a abraçou. O último abraço deles! O tempo parou, os minutos se transformaram em horas. Sentir aquele abraço envolvendo-a era muito bom. Se despediram. Acabou! Definitivamente. Ela parecia que estava tendo um pesadelo. Foi para seu quarto, fechou os olhos e vagou por seus pensamentos e lembranças, por tudo o que já viveram juntos. E agora, o que faria? O que ela sentia por Marcos, nunca havia sentido por nenhum outro. Era muito mais que paixão. Amor? Já não tinha mais tanta certeza. Esquecê-lo seria muito difícil, praticamente impossível. Conhecer outros homens, iniciar um novo relacionamento seria a melhor coisa a ser feita, mas não para ela. Não sentia nenhuma vontade de conhecer ninguém. O mundo se tornou cinza, vazio, sem graça. Confusão, angústia, mágoa, tristeza. Tantos sentimentos entrelaçados que faziam um nó em sua cabeça. O coração doía! Chorou. Chorou muito, como se as lágrimas tentassem lavar a ferida dentro de seu peito. Será que algum dia iriam se encontrar outra vez? Será que, depois de tanto sofrimento, a vida traria uma compensação pra ela? Tinha que seguir em frente, mas não sabia como. Viu-se sem rumo, num beco sem saída. No momento, só restava a ela chorar.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

É sempre amor.


Há certas pessoas que marcam a vida da gente de tal forma, deixando marcas profundas no nosso peito, como uma tatuagem. Não importa o tempo que se viva junto a ela e sim, a intensidade. Esquecê-la é simplesmente impossível. E muitas vezes, lembrar dela dói. É estranho que esse sentimento pode mudar em relação a essas pessoas com o passar do tempo. Mas uma coisa é certa: é sempre amor, mesmo que acabe!


Música: "Mesmo que mude" - Bidê ou balde

domingo, 15 de junho de 2008

O Tempo

Meu Deus, já estamos na metade de junho! Como passou rápido! Na verdade, como tudo na vida passa rápido. O tempo voa, as pessoas andam muito apressadas, sempre de olho no relógio para não se atrasarem em seus compromissos. Sempre pensando no futuro, no que fazer, como e quando. Difícil parar para curtir o momento atual. E quando se vê, o tempo passou e não dá mais para voltar atrás nas coisas que não foram feitas ou ficaram pela metade. A palavra não dita naquele momento tão importante, o gesto não feito, o sorriso não dado. Coisas simples, mas quando não demonstradas na hora certa, às vezes se perdem e aí surge o arrependimento.

Para complementar, abaixo segue um texto do Mário Quintana sobre esse assunto que gera tanta aflição e ansiedade nas pessoas.

O Tempo

"A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará."

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Valorize quem te ama

Depois de um relacionamento de 5 anos, entre idas e vindas, enfim terminaram! Na verdade, ela terminou. Cansou de esperar uma iniciativa dele, ou uma retribuição pelo que ela fazia por ele. O namoro já estava morno. Ele apenas se acomodou, afinal, achava que estava ótimo daquele jeito.
No dia do rompimento, ele não quis acreditar que estava tudo terminando, queria mais uma chance, disse que ela estava fazendo a maior besteira da sua vida.
Ela, firme na decisão, nem deu ouvidos. Apenas disse que no momento em que mais precisava dele, ele não estava lá. Sempre ausente para ela. Ia jogar com os amigos, sair, tomar cerveja. Até o cachorro parecia mais importante que ela! Em compensação, ela esteve junto dele sempre que pôde, nos momentos bons e, principalmente nos ruins. Por essas e outras, não queria mais saber! A paixão de outrora já havia se extinguido a algum tempo. Amor nunca teve. Falou que podiam ser amigos, se ele quisesse, mas a história deles tinha acabado naquele momento.
Algum tempo se passou e eles se encontraram novamente, em um shopping. Ela estava acompanhada de um rapaz, simpático, bonito. Ele, estava só. Cumprimentaram-se. Ele elogiou-a. "Como está linda!", pensou. Ela apresentou o noivo e comentou que ia casar daqui a alguns meses. Ele, intrigado, um pouco enciumado, puxou ela para um canto e disse o quanto sentia a falta dela, do seu jeito, do seu perfume, de como conseguia acalmá-lo quando estava brabo ou alegrá-lo quando estava triste. Pediu se ela realmente gostava do outro e se estava feliz. Ela respondeu que sim. Que era muito feliz com seu novo namorado, porque era amada de verdade. "Quando eu estava contigo, bem ali ao seu lado, parecia que você não me via, não notava minha presença. O que tínhamos que viver já se encerrou, agora se liberte e viva a sua vida, que eu estou vivendo a minha, enfim, e ao lado de alguém que sabe que eu existo!" Ele se indignou, mas ao mesmo tempo, ficou com aquilo que ela disse na cabeça. Pensou que talvez ela tivesse razão! "Quem sabe eu tenha sido mesmo ausente no nosso relacionamento." Foi aí que ele começou a dar mais valor às pessoas ao seu redor. Tarde demais? Para aquele amor, com certeza. Mas não para outros.
Dê mais atenção a quem te ama, antes que o (a) perca no momento em que mais precisar dele (a).


Vídeo "Na sua estante" - Pitty

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Cansei!!!

Ah, cansei!
Tem certos momentos na vida que cansa. Estou em um desses momentos.
Cansei de correr atrás dos outros para me fazer feliz (ou para fazê-los felizes);
Cansei de bancar a boazinha e não receber nada em troca;
Cansei de me esforçar na minha profissão em vão;
Cansei de amar e não ser correspondida;
Cansei de tentar ser amiga de gente que não merece;
Cansei de ter pensamentos positivos para as coisas, mas não ver o fim dos problemas;
Cansei de conviver com gente mal-educada e sem respeito algum pelo próximo;
Cansei de ver tantas injustiças no mundo;
Cansei de tantas mágoas e angústias que sinto em meu peito;
Cansei de chorar feridas que não se curam;
Cansei da arrogância e prepotência de certas pessoas;
Cansei de tanta inveja e raiva ao meu redor;
Cansei de mentiras e desilusões.
Simplesmente, cansei!

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Encruzilhadas da vida

Às vezes tudo fica tão confuso e sem sentido. O caminho que seguia, antes tão certo, fica parecendo que não é o que se quer. Os sonhos antes tão almejados, hoje ficam esquecidos, guardados em algum lugar, fora do nosso alcance. Ficamos sem rumo, numa encruzilhada.
A busca por algo que nos dá prazer e felicidade se torna, algumas vezes, tão longe de ser alcançada. Quando parece que nos encontramos, tudo se dissolve como fumaça, então nos deparamos com a realidade, cheia de dúvidas, medos e desilusões.
Temos que ter forças para seguir em frente e ir à luta, procurar o caminho certo com muita autoconfiança mas, cadê vontade pra tudo isso? Os caminhos são muitos, já erramos tantas vezes, como saber que não pegaremos a direção errada outra vez?
Tentar, tentar, e tentar outra vez. Não diria que é a solução, mas pode ser que numa dessas encontremos o caminho certo, enxerguemos a luz no fim do túnel e tudo se torne claro e certo. Ou pelo menos, mais certo que no momento atual.
E assim, sigo minhas buscas. Em algum momento me encontrarei.

domingo, 8 de junho de 2008

A intensidade de um momento

Estava frio. Era um daqueles dias outonais de Caxias do Sul. Céu encoberto, chuvisqueiro, cerração. Fiz um mate para me aquecer. Peguei o livro que estava lendo, ajeitei algumas almofadas e sentei em minha cama para lê-lo. Pouco mais de cinco minutos o telefone tocou. Atendi! Reconheci a voz do outro lado da linha. Aquela voz que outrora sentia calafrios quando escutava, um certo frio na barriga. Ah, como era bom escutar aquela voz! Ao ouvi-lá, me trouxe uma certa nostalgia. Que saudade daquele tempo. Como éramos felizes!
 
Desliguei o telefone. Uma hora depois, o interfone tocou. Pedi quem era. Ouvi novamente a mesma voz que escutava a pouco pelo telefone. Abri a porta. Ali estava o dono daquela voz. Abracei-o. Beijei-o de uma maneira intensa, profunda. Um beijo quente. Fui correspondida. Seu beijo, seu abraço, seu cheiro... Como era bom. Como ele fazia eu me sentir bem.

O tempo congelou. A emoção se intensificou cada vez mais. Estava extasiada! Que momento agradável. Um momento para se viver eternamente!

Mudanças

Mudança é uma situação corriqueira em nossas vidas. Temos que estar preparados, pois a qualquer momento ela pode acontecer, seja boa ou ruim. Porém, vejo que as pessoas tem muita dificuldade em enfrentá-la, medo no "novo", mesmo que esse novo seja algo bom, que as torne mais felizes. Por quê esse medo, essa dificuldade em mudar?
A mudança gera, muitas vezes, uma certa expectativa no futuro, ansiedade, medo do desconhecido, afinal, mudar é arriscado!
Outras mudanças, mesmo sendo boas, às vezes dependem de nós mesmos e nossa força de vontade para obtê-las, como por exemplo, a mudança no estilo de vida. Reparo como as pessoas tem apreensão e dificuldade em querer mudar sua alimentação, seus hábitos e deixar de lado os velhos, mesmo que estes só lhes tragam malefícios à sua saúde. Como falta vontade e disciplina em mudar e, se no início conseguem, há sempre algo que faz eles desistirem e voltarem ao antigo modo de vida.
Mudar faz crescer, amadurecer. Mudar faz ver o mundo de outras formas. Às vezes o apego exagerado e o conforto naquela situação trazem a dificuldade em modificar seu destino e sua vida. Devemos nos desapegar mais das coisas, de certos momentos.
Vivemos em constante movimento! Tudo na vida se transforma! E se a mudança apareceu em certas ocasiões, devemos tomá-la para si e saber que dela, algo novo nos trará afinal, mudanças ocorrem sempre.
Aprecie a mudança! Aprenda o que ela te mostra, adapte-se a ela e, o mais importante, esteja preparado pois novas mudanças virão.

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Saudade

Ah, saudade!
Sentimento intenso, profundo.
Palavra com sentido tão amplo que não há tradução literal em outra língua.

Ah, saudade!
Saudade da infância, das brincadeiras, dos amigos da escola.
Saudade de quem se foi, saudade de quem está longe.
Saudade da época da faculdade, saudade da época de "baladas".

Ah, saudade!
Ela chega quando menos esperamos e nos invade completamente.
Dá uma dor no peito, os olhos enchem-se de lágrimas.

Ah, saudade!
Saudade de alguém que se ama muito, de alguém nos faz muito bem.
De um amor!

Saudade daquele amor que nunca será esquecido! Que nos fez muito feliz, seja num tempo curto ou longo.
Ah, saudade!