sexta-feira, 30 de novembro de 2012

dos livros e da vida. (2)

 

Tem livros que foram feitos para serem lidos na época certa da nossa vida, fazem super sentido com o que a gente está vivendo e repensamos muito nossas escolhas e decisões.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

da simplicidade.

 

Ainda bem que há finais de tarde ensolarados e primaveris.
Ainda bem que há dias de chuva também.
Ainda bem que há livros e música.
Ainda bem que há aulas de francês. 
Ainda bem que há um tempo interno.
Ainda bem que há poesia.
Ainda bem que há jazz e blues.
Ainda bem que há amigos.
Ainda bem que há bons filmes.
Ainda bem que há café.
Ainda bem que há sorrisos.
Ainda bem que há amor em mim.
Ainda bem que há tanta alegria em viver.

Ainda bem.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

dos silêncios que gritam.

 

nada de palavras.
somente um silêncio que falou tudo
e calou profundo.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Dos momentos que eternizam... (3)


estavam por um fio,
prestes a arrebentar.
e então, tudo se refez!
num momento simples,
em meio ao silêncio
e à cumplicidade.

sábado, 17 de novembro de 2012

dos cafés e dos sentidos.


 Cheiro de prazer nas mãos.
Gosto de prazer no ar.
Sensação de prazer na boca.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

emoções: mode on.

 

Às vezes é necessário fingir certos sentimentos. Ou fugir. Porém, dizer que não quero mais, não me convence muito. Sou sensível demais, tenho um coração meio infantil ainda, sofro por coisas idiotas. Ou não. Idiota mesmo é quem acha isso uma besteira. E eu não acho besteira. Acho bonito. Sou piegas, romântica demais numa época em que romance só se vê em livrarias. Ou em novela das seis. Em alguns momentos, sinto uma parede invisível que nos distancia. E eu bem que preferia a distância, por cautela. Mas não pode-se haver distanciamento. Não agora, nessa fase tão tumultuada. E tem também a saudade que incomoda.

Me toca a fragilidade dessa relação, mas me toca mais seu pouco caso com isso. Sei que agi sem pensar e agora devo enfrentar as consequências. Um momento de raiva e um mundo de coisas que se rompe. E algo se rompeu aqui dentro. Ou está por um fio. Mas acredito que tudo possa ser restaurado. E a essência do carinho sempre permanecerá. Porque é verdadeira. De ambas as partes. Disto eu tenho certeza.

douce pluie.

 

chuva que cai,
doce acalanto.
sinfonia aos ouvidos,
acalmando sentimentos.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

das palavras não ditas.


Ainda restaram palavras pendentes.
Mas soltemos-as com o vento, no tempo das coisas.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Das escolhas.

 

Uma escolha muda todo o enredo da vida.
Por isso a importância de pensar muito antes de decidir.
Sem esquecer de ouvir o coração.

domingo, 4 de novembro de 2012

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Besteira é chorar pela perda do que nunca existiu.

dos novos dias de um novo mês.


Que novembro venha doce,
venha quente (mas não escaldante).
Que tenha sorte, tenha amor,
e uma porção de novos encantos.

Que novembro me traga alegrias
e excelentes momentos.
Que o vento sopre a favor da corrente,
e as coisas aconteçam, finalmente.