quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

seja pra quem for.


"En tu cuerpo inventaré
otra cosa
intento hacer
una historia que sea real
como ninguna antes.

Contemplándote seré,
paciente
dejaré que sucedan las cosas
como deben ser
sin apresurarlas.

Contigo probaré,
Ser sabia sin presionar,
dejar que sea lo que será
sólo el tiempo dirá.

¿Cómo resisto esta belleza?
Mi alma sonríe
Está de fiesta
Y algo me dice
Si es contigo
Todo me dice
Sí."

(Julieta Venegas)


terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

revirando sentimentos.


Confusão emocional. Talvez isso seja apenas uma fuga do que não quero sentir. E eu não lido muito bem com sentimentos. Na verdade, não lido muito bem com nada que não seja eu em minha bolha de imaginações. Meu mundinho amigo. Eu, meus livros, minhas músicas, meus filmes. Meus romances imaginários. Pior que está sendo divertido reaprender a flertar (se é que um dia soube como fazer isso). Olhar para o lado, mandar bilhetinhos, rir de si mesma das confusões cometidas. Mas, e quando o lado que se está olhando é mais uma distração do outro lado que não quero ver? Porque quando parece que as coisas estão querendo dar certo, dá um frio na espinha, um nervosismo e uma sensação meio infantil. Vontade de voltar pro meu mundo e minha bolha. Mas eu já sou uma mulher. Adulta. Mudei tanto em tanta coisa, mas falta tanto pra mudar em relação a esses sentimentos. Ou seria só medo de não olhar pro lado certo? De ter um pouco da felicidade que tanto leio, vejo em filmes, sonho? Então, pra quê o medo se isto é bom? E olhar pro lado é tão fácil. Divertido. Quando é o lado que queremos de verdade, é melhor ainda. Então olho. E vejo. E confio. Em mim.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

medianeras.

 

Já queria ver a tempos esse filme e quando fiquei sabendo que estava passando por aqui, melhor, no dia da minha folga, prometi a mim mesma que iria vê-lo. Sozinha ou acompanhada. Antes do filme, convidei alguns amigos (nota: tenho que parar com a mania de não ir a lugares porque não tenho companhia, senão perderei muita coisa boa nessa vida). Não encontrei ninguém pra me acompanhar. Então fui sozinha (nota2: desde que voltei da Espanha descobri que a melhor companhia e a de si mesmo). Ainda bem que fui só, porque o filme fala justamente disso: solidão. Medianeras aborda também o paradoxo da vida online. Fala de encontros e desencontros, da busca do próprio ser e de um lugar ao sol.

O filme compara a arquitetura da cidade com o mecanismos interno das pessoas. Sem sentido, sem estilo, sem planejamento, sem rumo, sem esperança. Outra comparação é a metáfora da procura por Wally (do livro Onde está Wallly?, o favorito da personagem na infância - e o meu também). Significa 'o Wally dentro de nós', nossa razão de existir; o Wally companheiro, tão difícil de encontrar, apesar das conexões, das ferramentas da mídia. Vai-se longe com a internet, vai-se a lugar nenhum na própria vida. 

Saí do filme pensativa, leve, emocionada e com uma louca vontade de Buenos Aires também.

Adorei. E recomendo. Se for assistir sozinho (a), melhor ainda.

insisto nessa frase.

 

"No importa equivocarse. Lo que importa es seguir buscando."

(Do filme: 'Dieta Mediterrânea')

sábado, 25 de fevereiro de 2012

A saudade que deixei de sentir


 "Hoje eu não sinto mais saudade de você. Não estou dizendo essas palavras para te atingir, me vingar ou fingir que não estou mais nem aí. Só não sinto mais saudade de você. Antes aquela saudade me consumia, fazia meus olhos encherem de lágrimas, fazia meu coração tremer. Hoje tudo isso passou. Procuro no passado o que me fez te querer tanto. Não acho. Você continua bonito, engraçado e sedutor. Mas não vejo mais graça nisso tudo. Não me abalo mais com tanto poder de sedução. O encanto acabou, a magia se partiu, tudo ficou bem terminado aqui dentro. Isso antes me entristecia, hoje me deixa com olhar de paisagem. Não sinto nada. Nem seu cheiro sinto mais. Antes, fechava os olhos e conseguia sentir seu perfume. Passou. Meu Deus, eu achei que nunca ia passar! Pensei que meu sofrimento jamais teria fim. Mas teve. Um fim bonito. Um fim que não deixa nem saudade." 
 
(Clarissa Corrêa)

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

sábado, 18 de fevereiro de 2012

porque ansiedade só atrapalha.

 
"Não se preocupe, não tenha pressa. O que é seu encontrará um caminho para chegar até você. Deus não demora, Ele capricha..."
(Caio F. Abreu)

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Les Emotifs Anonymes

 

Sabe quando você assiste a um filme que se encaixa perfeitamente ao que se está vivendo? Pois é, assim foi quando eu assisti hoje ao filme francês "Românticos Anônimos". Além do romance, tema central do filme, retrata o medo das personagens de enfrentar as inseguranças, os desafios e o desconhecido em suas vidas. E aí eu me encaixei. Principalmente quando a personagem vai em busca do emprego que tanto ama e de uma nova  paixão recém descoberta buscando confiança nela mesma, tentando vencer seus medos e a timidez que a atrapalham tanto para conseguir o que quer.

Arriscar mais e confiar em si mesmo é do que precisamos para nossas realizações. Acho que estou cada vez mais perto de conseguir atingir meus objetivos e sonhos graças a muita coisa que consegui até aqui, vencendo emoções conflitantes dentro de mim e amadurecendo muito. Claro que ainda tenho muito mais para melhorar, mas creio que estou no caminho certo.

Um filme que nos coloca diante da fragilidade dos sentimentos. Engraçado, envolvente. sensível... Caiu como uma luva pra mim nesse meu momento, definitivamente.

Ah, a personagem ama chocolate. Eu amo café. Quer mais comparações?

sábado, 11 de fevereiro de 2012

just feel.

"O bem-estar. É uma coisa muito estranha: a comida é boa, o coração é simples, encontro um menino na rua jogando bola, eu lhe digo: não quero que você brinque com a bola em cima de mim, ele responde: vou tomar cuidado. Fui ver um filme, não entendi nada, mas senti tudo. Vou vê-lo de novo? Não sei, posso dessa vez não estar em bem-estar, não quero arriscar, posso de repente entender e não sentir."
(Clarice Lispector)

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

amar la trama

 

Eu acredito em histórias felizes, independente de seus finais.
Se ela foi feliz, não me importa seu fim.

Do que não se explica...


Não quero pensar. Não quero sentir. O que sinto não é traduzível. Resisto. Mudo de foco. A dúvida ressurge. A vontade vêm, mas logo vai embora, assim não fica aquela esperança boba de dar certo. Talvez não seja o medo de um NÃO, mas de um SIM. E esse coração que parecia estar curado do mal das desilusões, não consegue se abrir outra vez para o novo. O corpo pede o que o coração não sabe se quer, e a mente inventa todas as desculpas para não querer sentir. Se é que a mente tem algum poder em relação aos sentimentos.

Dá vontade mesmo é de sair de fininho, na ponta dos pés, como se nada tivesse acontecido. E nada aconteceu mesmo.

É estranho. Tudo é estranho. Na minha cabeça. No meu coração.
E eu não entendo. Mas sinto.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Das minhas transformações...

 

"Eu tô confiando em mim de novo, me permitindo, porque eu sei que posso muito, mereço muito."

(Tati Bernardi)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Dúvidas & certezas.



Se é o motivo certo, ou o momento certo, então pode ser a escolha certa.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Do que refletirá no futuro...

 

"Pois, se realmente tivermos fé naquilo que desejamos, fica mais fácil de se tornar real e o que queremos de alguma forma começa a existir. O sonho é nosso e de mais ninguém, então a vontade de seguir em frente deve vir da gente também. Sem medo de ser feliz, nem medo do que virá." (18/02/2011) 

Nesses últimos dois anos pude perceber que amadureci muito. Nos últimos dez meses nem se fala. Venci medos, arrisquei mais e principalmente, confiei muito em mim mesma. Seja viajando sozinha por um país diferente, seja trabalhando num lugar que não era exatamente minha área mas, que se tornou o meu mundo. Eu definitivamente encontrei o que amo fazer.

No dia 9 de abril de 2011 eu era uma pessoa. Hoje sou outra completamente diferente. Isso me faz ver que o simples ato de acreditar impulsiona muito a gente, a determinação pelos objetivos cresce e a vida faz valer muito à pena ser vivida.

E é isto que me faz cada vez mais eu ir além e realizar meus sonhos.