quarta-feira, 22 de abril de 2009

Change's time

É tempo de mudança!

Porque mudar, às vezes, é preciso... querendo ou não.
Faz bem para a alma, nos fortalece.
E quem sabe assim, encontro o que tanto procuro (apesar de não saber exatamente o que procuro).

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas,
que já tem a forma do nosso corpo,
e esquecer os nossos caminhos,
que nos levam sempre aos mesmos lugares.
É o tempo da travessia:
e, se não ousarmos fazê-la,
teremos ficado, para sempre,
à margem de nós mesmos."
(Fernando Pessoa)

terça-feira, 21 de abril de 2009

Da certeza de um final feliz...

E assim ele foi embora. Com um sorriso no rosto, mas sentindo uma dor no coração por deixá-la. Queria mudar aquela situação, mas não sabia como fazer isso. E também, não aguentava ficar sem vê-la, abraçá-la, sentir seu cheiro e de beijar cada pedacinho do seu corpo, do seu rosto.

Saiu pelas ruas pensativo. Acendeu um cigarro e se perdeu em lembranças de minutos antes. Cada momento que passavam juntos era intenso. Uma conexão forte; pele e coração. Ele a amava! Seus olhos ficaram levemente mareados com a recordação e aquela dor no peito havia voltado. Pensou na mulher, e veio então a imagem dos filhos. Se não fossem eles tudo seria diferente. Mas sem eles não poderia viver. Não podia se separar, os filhos sofreriam muito. A esposa era uma amiga, mas nada mais. Sabia que não sentia mais nada por ela.

Entrou em um café. Pediu um espresso. Forte. Acendeu outro cigarro. Na mesa ao lado, um casal conversava. Então lembrou de quando a conheceu. Passava por um momento difícil na sua vida, e ela se manteve ao seu lado o tempo todo. Ele deu a volta por cima, melhorou de vida e ela permaneceu ali, junto a ele. Como ele podia fazer aquilo? Se sentia um canalha, um monstro. Tinha que ter um jeito de mudar isso, mas o que fazer, pensava. Terminaria com ela ou se separaria da esposa? Mas, e os filhos? E o que todos iriam dizer depois de quase 20 anos casados?

Tantas vezes já pensou em largar tudo para ficar com ela. Mas na hora sempre acabava desistindo. Medo? Talvez. Tantas vezes ela já terminou com ele, e tantas vezes ele ligava de volta pedindo perdão. E ela sempre aceitava. Que anjo havia surgido em sua vida. No entanto, ele ia ao inferno. Já havia lhe dito para ter outros relacionamentos, esquecer dele, mas ela não conseguia. Ele menos ainda. Sabia que ela era sua metade, apesar de tantas diferenças. Não sabia como viver sem ela.

Pagou o café e levantou-se. Lá fora, uma garoa fina caia. Saiu com as mãos nos bolsos, assobiando uma melodia melancólica, mas um tanto esperançosa. Sabia que o amor prevaleceria no final e tudo terminaria bem.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Quando somos apenas nós

 
A semana passa, a espera é longa e a ânsia em vê-lo só aumenta. Mas isso tudo é recompensado no final com aquele olhar protetor que só seus olhos castanhos tem. Num abraço envolvente que recebo dele, o tempo pára. As diferenças entre nós se tornam supérfluas, as dificuldades se esvaem e o mundo ao redor deixa de existir. Somos apenas nós. A intensidade da última vez mistura-se com a emoção de uma primeira, mas o momento é sempre único, sempre nosso. Pra sempre.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Nostalgia outonal

 
É época de outono!

O sol se torna mais fraco, mas muito mais bonito! Ao entardecer ele se mostra mais alaranjado, lindo de viver! As folhas, já avermelhadas, caem das árvores completando seu ciclo de vida. A paisagem ganha um tom ocre. Os restos do verão se despedem fazendo a temperatura cair levemente, trazendo ventos mais frescos para recepcionar o inverno que timidamente vêm tomando seu espaço. E uma sensação de nostalgia se espalha pelo ar...

"Como folhas secas pelo chão,
nas frias tardes de outono,
Veio o vento e te levou.
E junto o meu coração..."
(Tardes de outono - Rosa Tattooada)

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Olhos de vidro

Mês passado comecei a usar óculos. Sim, me rendi às lentes! Mas uso somente para assistir TV, cinema ou coisas do tipo. Segundo minha médica, tenho miopia, mas em grau baixo. Um pouco vêm da genética. Dizem que é coisa de gente que lê bastante. Nisso eu concordo! Fiquei até com ar de intelectual.

Mas o engraçado foi colocar os óculos pela primeira vez. Enxerguei o mundo com outros olhos. Mais nítido! Havia me acostumado a ver tudo embaçado antes. Que diferença eles fizeram, e olha que só uso 1,5 graus. O problema é logo que os tiro: tudo em volta se desconfigura, até os olhos se acostumarem outra vez.

Certas coisas da vida são vistas com "olhos de miopia" também. Foscas, embaçadas. E às vezes, de tão acostumados, nem nos damos conta disso. Quem dera ter lentes para consertar esse equívoco. Mas ainda temos o coração. Só com ele poderemos ver tudo limpo de novo. É só querer.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Happy Birthday

Alguns dias antes (mais precisamente dia 8 de abril) foi o meu aniversário. Nem parei para escrever algo por aqui sobre o glorioso dia. O meu dia! Bom, antes tarde do que nunca.

Dia 8 foi meu, todinho meu. Ou melhor, todos os dias 8 do mês de abril são meus! Comemorei bastante com pessoas queridas, afinal, é mais um ano de vida que ganho e estou muito bem, com muita saúde, por isso mesmo que devo comemorar cada vez mais. Se cheguei até aqui, é uma vitória. E força que ainda tenho muita estrada pela frente.

Há algumas décadas atrás eu nascia cheia de energia e vontade de viver. Naquele momento meu destino foi traçado e, hoje penso se estou no caminho certo. Apesar de algumas coisas não estarem exatamente como eu gostaria, outras estão boas, o que faz eu acreditar mais que ainda posso chegar aonde almejo.

E aqui estou, um pouco mais velha, mais amadurecida, feliz por tudo o que tenho e o mais importante, com muita disposição para correr atrás de novas conquistas, emoções e amores que me façam uma pessoa cada vez melhor.

Um brinde à vida! E a mim.
"Y dale alegría, alegría a mi corazón;
Es lo único que te pido al menos hoy.
Y dale alegría, alegría a mi corazón;
Afuera se irán la pena y el dolor!"
(Fito Páez)

sábado, 11 de abril de 2009

Chuva de verão

 
Há pessoas que passam em nossas vidas não por mero acaso. Chegam numa passagem relâmpago, com intensidade de um raio, forte como uma tempestade e deixam vestígios de uma chuva de verão. 

E chuvas de verão vêm e vão...

"...aquela noite que eu te conheci eu acho que nunca vou esquecer!
...Tudo que é bom dura pouco e não acaba cedo.
Agora, pra sempre... foi embora mas eu nunca disse adeus!"
 

(Eu nunca disse adeus - Capital Inicial)