Da certeza de um final feliz...

E assim ele foi embora. Com um sorriso no rosto, mas sentindo uma dor no coração por deixá-la. Queria mudar aquela situação, mas não sabia como fazer isso. E também, não aguentava ficar sem vê-la, abraçá-la, sentir seu cheiro e de beijar cada pedacinho do seu corpo, do seu rosto.

Saiu pelas ruas pensativo. Acendeu um cigarro e se perdeu em lembranças de minutos antes. Cada momento que passavam juntos era intenso. Uma conexão forte; pele e coração. Ele a amava! Seus olhos ficaram levemente mareados com a recordação e aquela dor no peito havia voltado. Pensou na mulher, e veio então a imagem dos filhos. Se não fossem eles tudo seria diferente. Mas sem eles não poderia viver. Não podia se separar, os filhos sofreriam muito. A esposa era uma amiga, mas nada mais. Sabia que não sentia mais nada por ela.

Entrou em um café. Pediu um espresso. Forte. Acendeu outro cigarro. Na mesa ao lado, um casal conversava. Então lembrou de quando a conheceu. Passava por um momento difícil na sua vida, e ela se manteve ao seu lado o tempo todo. Ele deu a volta por cima, melhorou de vida e ela permaneceu ali, junto a ele. Como ele podia fazer aquilo? Se sentia um canalha, um monstro. Tinha que ter um jeito de mudar isso, mas o que fazer, pensava. Terminaria com ela ou se separaria da esposa? Mas, e os filhos? E o que todos iriam dizer depois de quase 20 anos casados?

Tantas vezes já pensou em largar tudo para ficar com ela. Mas na hora sempre acabava desistindo. Medo? Talvez. Tantas vezes ela já terminou com ele, e tantas vezes ele ligava de volta pedindo perdão. E ela sempre aceitava. Que anjo havia surgido em sua vida. No entanto, ele ia ao inferno. Já havia lhe dito para ter outros relacionamentos, esquecer dele, mas ela não conseguia. Ele menos ainda. Sabia que ela era sua metade, apesar de tantas diferenças. Não sabia como viver sem ela.

Pagou o café e levantou-se. Lá fora, uma garoa fina caia. Saiu com as mãos nos bolsos, assobiando uma melodia melancólica, mas um tanto esperançosa. Sabia que o amor prevaleceria no final e tudo terminaria bem.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

De repente, 30!

Instabilidade emocional

Pois é, Trintei!!