terça-feira, 16 de junho de 2009

Entre o real e o abstrato

Fiquei ali na janela pensando em nós. Mas um nós que ainda não aconteceu, que talvez um dia aconteça ou quem sabe nunca venha a acontecer realmente.

"Eu acho tão bonito isso de ser abstrato, baby" já diria Lulu Santos e realmente o é. Às vezes certos momentos que queremos muito que se realizem são muito mais lindos nos nossos pensamentos do que quando se concretizam, como se na nossa infinita imaginação as coisas fossem muito mais exatas e fugazes, mais límpidas e certas, mais românticas e muito mais perfeitas. Dá um frio na barriga de pensar que aquilo tudo pode ser verdade. Uma apreensão bate no peito, uma insegurança invade a espinha e a adrenalina percorre por cada parte das células sanguíneas.

Humm... Vontade, desejo, paixão... Medo!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Enfim... Livre!!

Sempre achava que tudo estava terminado e sempre havia um recomeço, uma volta, uma recaída. Já estava cansada daquela situação! Gostava dele, ôh se gostava, mas o relacionamento já estava desgastado. Não tinha mais forças para seguir em frente, não havia mais esperanças de um futuro bom... Tudo se havia deteriorado por inteiro.

Juntou toda força que restava lá do fundo do seu ser e deu um basta. Mas não para ele, e sim, pra ela mesma! Chega de manter algo que só empobrece o espírito e entristece o coração. A vida vale muito mais que isso e a tolerância dela já estava saturada de tanto masoquismo e sensação de inferioridade. Ela era grande e cheia de vontade de desfrutar de todas as coisas boas que havia perdido nesses últimos anos. E não podia esperar mais, já era hora de mudar e crescer! De ser feliz!

Num mundo cinza, as cores ressurgiram e tudo começou a fazer sentido novamente.

Livre, assim ela estava. Enfim!