sábado, 23 de outubro de 2010

Um pedido

E eu pensando que já tinha ido, mas você retornou e bagunçou meu coração mais uma vez... 

Nós dois vivemos um grande amor, não posso negar, porém ele nunca poderia sobreviver a tanto sofrimento e tanta mentira. Amor é justamente o contrário de tudo isso. Por isso, eu te deixo livre para ser feliz e seguir teu caminho. Essa é minha forma de dizer o quanto amor tenho por ti e que te quero sempre bem. 

Não pense que não atendendo às suas chamadas é que eu não gosto mais de você, pelo contrário, gosto muito e é por isso que te deixo. E gosto mais ainda de mim mesma. Por essa razão, quero me preservar dos sentimentos ruins e não viver mais de tristezas e vazios. Quero paz no meu coração. Assim, peço-te que me liberte também.

"Porque sé que me espera algo mejor
Alguien que sepa darme amor
De ese que endulza la sal
Y hace que salga el sol...
"
(Julieta Venegas)

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Do amor que sinto...

"Qualquer maneira de amor vale à pena, qualquer maneira de amor valerá."


Te ver feliz me deixa feliz.
E embora algumas coisas nos afastem
O carinho que tenho por ti é imenso.

De tantos amores que tive;
De tantas paixões nessa vida;
O sentimento por ti é diferente de tudo.

É transparente como o sorriso de uma criança.
Tanta ternura, tanto amor...

Quando estou triste,
Chateada com a vida,
Desanimada,
Fecho os olhos e penso em ti.

Então, meu coração se enche de alegria!

Na próxima vez em que nos encontrarmos
- e que esse dia venha logo -
Quero te abraçar e te dar todo meu carinho.
Te olhar bem nos olhos,
Te proteger, te fazer cafuné.

Sinto tanta saudade tua...

Pois se saudade é sentir o amor pelo avesso,
quero virá-lo do lado certo.

E ainda que essa história não terminou da forma como eu esperava,
O sentimento que descobri contigo é o que me faz sorrir todos os dias.

domingo, 17 de outubro de 2010

Orkutchencontro: 1 ano


Tudo começou com algumas pessoas e um assunto em comum: livros, em um post qualquer de uma comunidade de leitores assíduos do orkut. E o papo foi crescendo cada dia, o grupo aumentando a ponto de fazer uma comunidade própria, e não só o assunto literatura era o mais falado, como outros do dia e a comunidade virou uma grande família.

Nesse tempo, tiveram alguns encontros regionais, menores, e algumas pessoas iam se conhecendo pessoalmente. Até que um dia qualquer, saiu a ideia de um encontro maior, um 'megaorkontro' para assim, reunir o maior número de pessoas da comunidade.

Em 17/10/2009 (há exatamente um ano atrás) saiu o 1º orkutchencontro. 27 orkuteiros da comunidade 'Gostamos de Ler' se reuniram em Nova Prata, interior do RS, para confraternização de uma amizade sem explicação, e que só vêm crescendo cada vez mais.

Foram dias especiais na vida de todos e que deixaram muita saudade. Gente de diversas regiões do Brasil, de sotaques diferentes, de idades que variavam entre 19 e 70 anos, com tanta sintonia, amizade, cumplicidade, amor... Parecia que nos conhecíamos a muitos e muitos anos (e talvez nos conhececíamos mesmo). Quantas histórias, passeios, risadas... Que dias maravilhosos e inesquecíveis!

Nesse encontro, acreditamos que sonhos podem se tornar realidade.

Ano que vêm teremos o segundo 'Megaorkontro', em novembro, em Salvador.

Já estou em contagem regressiva...

"Quando menos esperamos encontramos pessoas que nos fazem pensar um monte de coisas boas"


quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Doces desejos

 
Ando com um desejo incontrolável de comer doces nesses últimos dias... Mas por que, se a vida já é feita de imensa doçura?!

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Estranhos conhecidos

Já se conheciam a tempos, mas naquele instante pareciam estranhos um ao outro. E desconhecidos, se descobriam numa ânsia de curiosidade, numa fome insaciável de prazer egoísta, e ao mesmo tempo, recíproca. Aqueles corpos, antes tão conhecidos, naquele momento eram novidades para o outro, para si mesmo; ali se descobriam, brincavam e se esbaldavam.

Não pensavam no amor - se é que ali existia, e é possível que sim - nem na amizade de ambos. Era apenas prazer puro e simples. Estavam descarregando a ansiedade do dia, esquecendo os problemas, inventando alguma emoção que ainda não haviam sentido até então. Ela, sonhadora e idealizadora de um futuro grandioso; ele, cético das coisas do mundo, apenas vivia o que a vida lhe impusera. Contudo, naquele instante não haviam regras, não havia futuro nem passado. Era o agora, um agora sem pressa de terminar, sem compromissos. Era uma liberdade que os dois tanto almejavam e ali desfrutavam, em meio  a sussurros e gemidos.

E depois que tudo terminava, olhavam-se, vestiam-se, falavam qualquer coisa. Voltavam a ser os mesmos de antes. Amigos, como sempre foram. Assim, se despediam com um "até breve", embora não sabiam  exatamente quando seria o próximo encontro deles, se logo ou muito mais tarde. Ou mesmo, não sabiam se haveria um próximo encontro igual aquele. 

Então, a vida seguia novamente sua rotina. E eles se falavam como amigos de sempre, conhecidíssimos um do outro. Como sempre foram.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Los caracoles no saben que son caracoles

"- ¿Mamá?
- ¿Qué?
- ¿Los caracoles saben que son caracoles?
- Y yo que sé. ¿Qué pregunta es ésa?
[...]
- Yo creo que no, mamá.
- ¿Que no qué?
- Que los caracoles no saben que son caracoles.
- ¿Por qué?
- Porque no pueden verse."

(Trecho do livro "Los caracoles no saben que son caracoles" de Nuria Roca).

Às vezes estamos tão alheios a nós mesmos e tão ocupados com o que ocorre ao nosso redor que não percebemos nossas próprias qualidades e nem vemos o quanto incríveis somos. Assim como os caracóis.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Happiness


Caminhando pelas ruas da Espanha, por vários momentos senti uma sensação confortante no meu peito que a tempos não sentia igual. Ali, sozinha, passeando por lugares desconhecidos,  em um país diferente, que surpresa agradável tive! Que vontade de abraçar o mundo e sorrir sem motivo algum!

Pois a felicidade chega a qualquer momento, quando menos esperamos.

"La felicidad es como una mariposa. Cuanto más la persigues, más huye. Pero si vuelves la atención hacia otras cosas, ella viene y suavemente se posa en su ombro." (Viktor Frankl)