Bom-humor é fundamental

Tempos atrás li um livro muito legal, chamado "Dez (quase) Amores" da escritora gaúcha Cláudia Tajes, e não poderia deixar de citá-lo, como também comentar a respeito dele.

O livro fala de uma mulher relatando os diversos relacionamentos que ela teve na sua vida, contados em pequenas histórias em estilo comédia romântica, ou como a própria autora descreve "Amores que viraram histórias. Histórias que viraram amores. Ou quase." Uma verdadeira terapia do riso.
A personagem da história, Maria Ana, é uma típica mulher em busca do seu "grande amor". Alguém que sonha com príncipes encantados mas sabe ser realista. Vaidosa como qualquer mulher sem se descabelar se a relação foi por água abaixo (de novo). Ao contrário, toca o barco se divertindo com as relações que a vida lhe remete até encontrar "o cara certo" pra ela. É o amor visto pelo lado feminino, mas com a malícia que um retrato da mulher livre contemporânea requer.

Maria Ana é uma mulher como todas nós, com manias, vaidades, fantasias, vontades e crenças. Que sonha com um parceiro ideal e quer construir uma família, mas que não desiste se a relação tem um fim, ao contrário, parte pra outras sem cair na tristeza (ou permanecer nela).

E isso é o que todas nós mulheres deveríamos fazer. Sem se desesperar e chorar quando uma relação termina, mas analisar que por algum motivo aquela pessoa com quem tivemos um laço tão grande de afeto passou por nossas vidas e, mesmo não dando certo como gostaríamos, não era pra continuar mais e sim, nos trazer algum ensinamento. Ok, sei que na prática isso tudo não é nada fácil, mas pior seria ficarmos nos martirizando por algo que acabou e não tem mais volta.

O que mais admiro na personagem Maria Ana além dela viver os amores, cada qual como se fosse pra sempre, intensamente, é que quando acabam, seu coração partido se regenera rapidamente.

Nos livros tudo parece ser mais fácil, não é?! Mas na vida real também pode ser, é só tentarmos. Afinal, sorriso e bom-humor nos deixam mais leves e bonitas, e isso atrai olhares pra nós que pode muito bem ser de um novo pretendente pintando por aí. Ou até mesmo, "daquele cara", por que não?

E quanto ao livro, não deixem de ler. É garantia de boas risadas.

*Texto antigo, reformulado e postado em um momento muito a ver com minha vida!

Comentários

  1. Nossa! fiquei super curiosa para ler esse livro, vou procurar na livraria.
    Adorei seu blog

    carlinhamary.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

De repente, 30!

Instabilidade emocional

Pois é, Trintei!!