um conto e um desencontro.

Duas horas da tarde. Larissa aguarda a chegada de Adriana em um café de esquina, no centro da cidade. Fazia vinte anos que não se viam. Desde a festa de formatura do ensino médio. Encontraram-se pela internet. Larissa marcou. Precisava entregar algo à amiga.

Em cima da mesa, um envelope azul e uma xícara de café. Dentro do envelope, uma carta. Mesmo amarelada pelo tempo, dava para ler seu conteúdo. Era de um pretendente de Adriana daquela época. Larissa tinha ficado como mensageira confidencial dos dois, entregando diversos bilhetes de um para outro. Porém, essa carta não foi entregue. E a relação de amizade entre as duas se 
rompeu. Mesmo depois de tanto tempo, Larissa quis corrigir o erro.

Duas e vinte. Segundo café. Um embrulho no estômago. Ainda nem sinal de Adriana. Larissa envia uma mensagem para assegurar de que a amiga vinha. Não há notificação de ter sido recebida. Muito menos lida. Tenta telefonar. Caixa-postal.

Larissa começa a ficar impaciente, ansiosa, imaginando mil e uma coisas que poderiam ter acontecido, das piores às mais simples. Conclui que sua ideia não foi tão boa assim, que podia ter esperado menos tempo para entregar-lhe a carta. Talvez Adriana já nem lembrava do pretendente, da época. Nem mesmo dela. Por isso não foi ao encontro. 
Duas e meia. Sem esperar mais, Larissa pagou a conta e saiu apressadamente sem nem olhar pra trás. “Ao menos tentei!” pensou, um tanto chateada. Era besteira mexer em algo do passado. “Deixa como está! A vida segue!”

Duas e trinta e cinco. Uma mulher extremamente elegante entra na cafeteria. Pede por uma mesa desocupada ao atendente. “Com tomada, por favor! Para carregar meu celular.” Olha ao redor, nenhum sinal da amiga. Estaria ela tão diferente a ponto de Larissa não reconhecê-la quase vinte anos depois? Liga o 
celular. Várias chamadas e ligações perdidas. Encontra a mensagem de Larissa, dentre tantas. Responde pedindo desculpas pelo atraso, pelo trânsito, pela bateria que terminara, por ela ser tão distraída com a hora. Larissa visualiza. Responde que tudo bem! Marcariam outro encontro o mais breve possível. Mente dizendo que havia outro compromisso e por isso não pode esperar mais.Desculpa Adriana pelo atraso, por que não a desculparia? Afinal, tentou encontrá-la para justamente ser perdoada. Adriana aceita o próximo encontro satisfeita por Larissa entendê-la tão bem. Ela sempre foi uma boa amiga. Mas por que mesmo elas haviam se afastado? Provavelmente o tempo e as vidas, tão diferentes. 

Envia nova mensagem. Tinham que marcar o quanto antes aquele encontro, pois havia tanta conversa, tantas novidades para contarem uma a outra.
Os dias se passaram. Cada uma continuou sua vida. A carta foi queimada. E elas nunca mais se falaram.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De repente, 30!

Pois é, Trintei!!

Instabilidade emocional