domingo, 18 de agosto de 2013

Que estranha ironia a do amor, que destrói corações e os reconstitui em outros tempos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário